Entrevista com Tatiana Tardioli, da Dança Materna

 

A Dança Materna estará presente no II Encontro para a Promoção, Proteção e Apoio à Amamentação. A Tatiana Tardioli, criadora desse projeto, nos concedeu uma linda entrevista falando mais sobre o seu trabalho. Acompanhe aqui o que ela tem a nos dizer!

tatiana1.JPG

A Dança Materna vem expandindo em todo o Brasil. Como surgiu esse trabalho? 

T: A Dança Materna é um projeto pioneiro, que eu criei em 2008, quando nasceu minha primeira filha, Nina. Naquela época eu já trabalhava há dez anos com dança contemporânea e danças brasileiras e  fui muito  influenciada por estudos e experiências profissionais ligadas a educação somática, fisioterapia e transdiciplinaridade. A gestação da Nina foi muito transformadora pra mim e nesta fase decidi que, depois que ela nascesse, começaria a desenvolver um trabalho com dança para gestantes e essa certeza se intensificou após passar pela experiência do parto. Sabia que a dança poderia contribuir muito amplamente e para além da saúde física. A sugestão de desenvolver uma aula para mães e bebês partiu da obstetriz Ana Cristina Duarte, do GAMA.  Assim nasceu a Dança Materna:  simultaneamente com os trabalhos com gestantes e com mães e bebês de colo e engatinhantes. Mais ou menos 1 ano e meio depois vieram as aulas com bebês andantes. Ela me acompanhava em todas aulas. Do ponto de vista pessoal, o projeto nasceu também da minha necessidade de ficar mais tempo com ela. Isso não seria possível na minha intensa rotina, que se estendeu por toda a gestação. Esse movimento que eu fiz na vida aconteceu com várias mães a partir dessa época e ganhou o nome de empreendedorismo materno. Em 2012, tive meu segundo filho, o Gil, que também dançou comigo a gravidez toda e depois de nascido e no momento estou grávida, dando aulas e dançando. Estar com os meus filhos faz parte do profundo sentido que esse trabalho tem pra mim e que fico feliz de poder propiciar a outras mães. Em 2015, concluí minha especialização em bebês.

Muitas profissionais começaram a demonstrar interesse pelo projeto e sempre recebi muitos pedidos de mães para levar o trabalho a outras cidades. Há dois anos comecei a formar professoras no Método. Somos uma rede colaborativa já espalhada por todas as regiões do Brasil. Eu acompanho o trabalho de todas elas, estudamos juntas, trocamos muito. Me sinto muito realizada nesse formato que cheguei. Sinto que é um caminho de exercício do melhor do feminino. Colaboração, apoio multi-lateral, partilhas profundas de conteúdo, vivências e muito estudo.

A maioria das mães, senão todas, ninam seus bebês balançando-os no colo ou até mesmo no carrinho. A Dança Materna proporciona quais efeitos ao bebê?

T: Dar colo, acalantar o bebê tem muitos benefícios e é muito recomendado. O bebê precisa muito de contato físico com a mãe e os slings são excelentes facilitadores de colo, facilitam o transporte, as atividades diárias da mãe e a amamentação.  Isso fortalece muito o vínculo com o bebê. O ritmo ajuda o bebê a se organizar emocionalmente, portanto se movimentar com ele o ajuda a se acalmar. O carrinho é, na minha opinião, algo para ser usado de vez em quando. Além do tempo de colo, ficar numa superfície firme, com liberdade de movimento é super importante a o desenvolvimento dos bebês. Não vale o colchão da cama, ou o berço. Uma área de chão, ou outra superfície firme, limpa, com coisas simples e interessantes próximas ou no campo de visão do bebê são também um excelente ambiente para seu desenvolvimento. Dançar e embalar o bebê em casa é super recomendado, mas é uma experiência diferente. As aulas favorecem o desenvolvimento da propriocepção e dos demais sentidos e isso é excelente para o bebê, que terá seu primeiro contato com a arte e a vivência de momentos de profunda conexão e proximidade com sua mãe e contato com outros bebês. A melhora no sono e diminuição na incidência de cólicas são constantemente mencionadas pelas mães que participam das aula.

E para a mãe? Quais os benefícios ela pode sentir?

T: Durante a gravidez os benefícios são: reestruturação corporal, ganho de alongamento, força e equilíbrio, controle do ganho de peso, melhora na circulação sanguínea e na  respiração, maior qualidade de presença e percepção do corpo e da gravidez, fortalecimento do vínculo com o bebê e preparação para o parto.

A dança, adaptada e de baixo impacto contribui para que a gestante não ganhe peso exageradamente, relaxe e melhore sua postura e respiração. As gestantes costumam dormir melhor após as aulas e ficam mais conscientes do seu corpo e de suas potencialidades, o que contribui para a preparação para o parto, o que é também um benefício em si, contribuindo com a diminuição da taxa de cesarianas desnecessárias, quando estas não são desejadas.

Para as mães de bebês, minimiza dores corporais características dessa fase da vida, por meio da automassagem e do alongamento, ajuda a perder peso, de uma forma prazerosa, sem que isso seja o centro da questão.  Viabiliza o retorno à vida social, num ambiente onde mãe e bebê são bem vindos e a amamentação é favorecida. Do ponto de vista físico, é sabido que a dança, como atividade física, contribui para a liberação de  hormônios que dão uma sensação de prazer e relaxamento.

Se uma mãe não tem condições de participar de alguma das aulas da Dança Materna, quais conselhos você daria a ela para reproduzir algumas das características da dança em casa?

T: É importante saber que dançar com um bebê não é a mesma coisa que dançar sem ele. Na Dança Materna, a gente tem uma série de técnicas e cuidados que permeiam todos os movimentos. Para uma mãe que está em casa, recomendo como cuidado básico que o bebê esteja bem acomodado que tenha apoio na cabeça e no bumbum, se possível bem acomodado num sling.  É preciso saber que embalar é diferente de sacudir um bebê. Então cuidado com ritmos muito rápidos e excessos nos movimentos. Se precisar de ajuda com sling, peça para participar do grupo Colo com Amor, no Facebook. Lá tem muitos vídeos e as moderadoras acolhem e orientam sobre dúvidas a respeito de acomodação e segurança nos vários modelos de sling.

E depois que o bebê cresce e já anda, ainda é possível a Dança Materna?

T: Sim! Tem a Dança Materna para Mães e Bebês Andantes também. A partir de quando eles já andam com firmeza, até os 3 anos. Nessa fase o bebê entra numa fase de intensa exploração do mundo, e aí nós é que vamos para o chão dançar com eles. Ainda que haja momentos de colo e aconchego. O foco é dançar e brincar de acordo com as novas habilidades e a autonomia já conquistada por eles, sempre com esse olhar para o vínculo e o amor.
Conheça mais sobre a Tatiana Tardioli! Ela é bailarina, criadora da Dança Materna e especialista em bebês (pós-graduada pelo Instituto Singularidades). Dirige e dança no Bloco Bebê (grupo de música e dança voltado para famílias com filhos na primeiríssima infância). É  moderadora do grupo Colo com Amor, de abordagem humanizada na assistência ao colo. Desde 2008, dedica-se ao estudo do desenvolvimento dos bebês e das diversas disciplinas que se referem aos cuidados com a mulher no período da gestação aos três anos dos filhos. Há dois anos forma, licencia e assiste professoras que atuam em todas as regiões do Brasil com os Métodos Dança Materna para Gestantes e para Mães e Bebês, e dá aulas em São Paulo, diretamente para estes públicos.

Saiba mais sobre a Dança Materna : Facebook TwitterInstagram Blog

 

Siga também o Bloco Bebê e participe do grupo Colo com Amor

 

Anúncios


Categorias:Falando um Pouco Sobre...

Tags:, , ,

1 resposta

Trackbacks

  1. Saiba como foi o II Encontro para a Promoção, Proteção e Apoio à Amamentação

Comente esse post! Vamos gostar de ler sua opinião!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: