Desafios da amamentação: o leite que não desce

Há alguns meses, desenvolvemos uma atividade que seria para discutir mitos e dúvidas relacionadas à amamentação. Achei interessante aprofundar alguns assuntos aqui no blog e, por isso, vou começar uma série de posts intitulada “Desafios de Amamentação”. O primeiro assunto será “o leite que não desce”.

imagem de internet

Pode parecer óbvio para algumas pessoas, mas muitas desconhecem que o leite não desce assim que o bebê nasce. Na verdade, a mulher, assim que parir, terá o colostro, que também é um tipo de leite, o primeiro a ser produzido por ela. Mas ele não tem “cara” de leite, é amarelado e menos “encorpado” e é produzido em uma quantidade bem menor, fazendo, inclusive, que eventualmente nem percebamos a sua existência.

Porém, o colostro apresenta um papel fundamental para o bebê: ele conferirá a imunidade necessária para o recém-nascido se manter mais saudável, tornando-o menos vulnerável a doenças. Por isso que muitos, inclusive, chamam o colostro de “vacina natural”. E, para ele, definitivamente não há substituições. Nenhuma fórmula, nem mesmo a mais avançada e cara, consegue dar essa proteção ao bebê como o colostro dará, de uma forma gratuita e com muito aconchego materno.

Assim, voltando à questão do leite não descer, a apojadura (que é a fase de transição entre o colostro para o leite maduro), levará alguns dias para acontecer, quando as mamas ficam bastante inchadas e os alvéolos que produzem o leite ficam dilatados. Se isso não for encarado com naturalidade, poderá ocorrer uma complementação desnecessária e, acima de tudo, arriscada com fórmulas artificiais.

Independente da via de nascimento, o contato pele a pele entre mãe e bebê deve ocorrer nos primeiros instantes da sua vida. Além disso, é fundamental que haja alojamento conjunto, caso o parto ocorra em hospital, para que a mulher fique o maior tempo possível com o seu filho. Isso facilitará que o bebê mame sob livre demanda desde o início e assim que a apojadura acontecer.

Porém, mesmo que o bebê tenha se afastado da mãe por algum motivo, nas primeiras horas ou dias (devido a alguma intercorrência com um dos dois ou por qualquer outro motivo), a apojadura acontecerá também, pois ela não depende da sucção. Então, a mulher também conseguirá amamentar!

Por isso, fique atenta e confiante, pois a maioria esmagadora das mulheres produz leite logo nos primeiros dias de vida, mas há uma variação de tempo entre todas nós. A insegurança e despreparo dos profissionais que cercam a mãe podem boicotar a sua confiança. O bebê somente precisará receber outro leite em poucas situações: caso haja alguma medicação materna que seja incompatível à amamentação (e, normalmente, há uma grande variedade de medicações que são compatíveis com a amamentação), bebês que nasceram com menos 1500g ou com menos de 32 semanas, em caso de HIV positivo, se tiver uma perda de peso além daquela considerada natural (até 10%) ou hipoglicemia, alguma imaturidade grave do organismo do recém-nascido, doença grave materna (psicose, choque, eclâmpsia), bebê com erro inato no metabolismo e bebê com perda acentuada de líquido (e a amamentação não está sendo suficiente para repor). Em muitos desses casos, é importante considerar se o hospital possui um banco de leite, pois isso garantirá que, ainda assim, o bebê receba um leite humano. E sempre que não puder receber leite do próprio seio da sua mãe, é recomendada a oferta em copinho ou colher. A confusão de bicos é uma realidade e é muito mais intensa nos primeiros dias de vida da criança.

Então, não acredite que você não terá leite. E não se compare com outras mulheres. Esteja cercada de uma equipe de saúde de confiança e também se cerque de muita informação durante a sua gestação.

Anúncios


Categorias:Falando um Pouco Sobre...

Tags:, , , , , , , ,

4 respostas

Trackbacks

  1. Desafios da amamentação: Dor para amamentar
  2. Em tempos de H1N1 e outras gripes, saiba como melhorar a imunidade
  3. Motivos reais e fictícios que inviabilizam a amamentação 
  4. Em tempos de H1N1 e outras gripes, saiba como melhorar a imunidade – Maternidade Sem Neura

Comente esse post! Vamos gostar de ler sua opinião!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: